8.1.09

Christophe Vacher - Automne

http://www.vacher.com/

"It is hard for me to discuss my own work; like your own handwriting, it is something that, at this point, is simply a part of me. People often ask me:"What inspires you to paint?" or "What's the meaning of your paintings?" Well, my work is mostly inspired by music, travel and personal experiences. ..."

Das palavras de Floria Sigismondi "entropic underworlds inhabited by tortured souls and omnipotent beings" poderão adaptar-se para a obra de Christophe Vacher: Omnipotent...Worlds...Inhabited...by Souls...and Entropic...Beings.

A paisagem domina as obras deste artista e é precisamente a introdução do elemento humano, que gera a desordem, a incongruência e nos chama a atenção, pois afinal de contas, que faz aquele ser ali? A desordem viva e a magnitude do inerte. Milhares de processos metabólicos por segundo versus milhares de anos. Transferência de energia versus conservação da energia. Equilíbrio dinâmico em coexistência com equílibrio integrado.

Grandes São os Desertos, e Tudo é Deserto

Grandes são os desertos, e tudo é deserto.
Não são algumas toneladas de pedras ou tijolos ao alto
Que disfarçam o solo, o tal solo que é tudo.
Grandes são os desertos e as almas desertas e grandes
Desertas porque não passa por elas senão elas mesmas,
Grandes porque de ali se vê tudo, e tudo morreu.

Grandes são os desertos, minha alma!
Grandes são os desertos.

Não tirei bilhete para a vida,
Errei a porta do sentimento,
Não houve vontade ou ocasião que eu não perdesse.
Hoje não me resta, em vésperas de viagem,
Com a mala aberta esperando a arrumação adiada,
Sentado na cadeira em companhia com as camisas que não cabem,
Hoje não me resta (à parte o incômodo de estar assim sentado)
Senão saber isto:
Grandes são os desertos, e tudo é deserto.
Grande é a vida, e não vale a pena haver vida,

Arrumo melhor a mala com os olhos de pensar em arrumar
Que com arrumação das mãos factícias (e creio que digo bem)
Acendo o cigarro para adiar a viagem,
Para adiar todas as viagens.
Para adiar o universo inteiro.
Volta amanhã, realidade!
Basta por hoje, gentes!
Adia-te, presente absoluto!
Mais vale não ser que ser assim.

Comprem chocolates à criança a quem sucedi por erro,
E tirem a tabuleta porque amanhã é infinito.

Mas tenho que arrumar mala,
Tenho por força que arrumar a mala,
A mala.

Não posso levar as camisas na hipótese e a mala na razão.
Sim, toda a vida tenho tido que arrumar a mala.
Mas também, toda a vida, tenho ficado sentado sobre o canto das camisas empilhadas,
A ruminar, como um boi que não chegou a Ápis, destino.

Tenho que arrumar a mala de ser.
Tenho que existir a arrumar malas.
A cinza do cigarro cai sobre a camisa de cima do monte.
Olho para o lado, verifico que estou a dormir.
Sei só que tenho que arrumar a mala,
E que os desertos são grandes e tudo é deserto,
E qualquer parábola a respeito disto, mas dessa é que já me esqueci.

Ergo-me de repente todos os Césares.
Vou definitivamente arrumar a mala.
Arre, hei de arrumá-la e fechá-la;
Hei de vê-la levar de aqui,
Hei de existir independentemente dela.

Grandes são os desertos e tudo é deserto,
Salvo erro, naturalmente.
Pobre da alma humana com oásis só no deserto ao lado! Mais vale arrumar a mala.
Fim.

Álvaro de Campos in "Poemas"

2 comments:

Peculi said...

ah como eu admiro este tipo. e se eu estivesse em cima de um rochedo com quem estivesse a escrever num blog talvez pudesse dizer, ou porventura até o diria:

FP que gd filho da mãe! E bebia um shot em tua memória:)

***
"E que os desertos são grandes e tudo é deserto,
E qualquer parábola a respeito disto, mas dessa é que já me esqueci."

skunk said...

XD

Como dizia um amigo, aqui vai um brinde:

- Uma torrada!